Policial

PLANALTO NORTE: Operação com mais de 40 policiais prende contadora após desvios em Major Vieira

Por  | 

Investigação apura diversos crimes e estima que mais de R$ 200 mil já tenham sido desviados

A cidade de Major Vieira, no Planalto Norte de Santa Catarina, voltou a ser palco de mais uma operação relacionada ao combate a crimes contra a administração pública.

REDAÇÃO ND, JOINVILLE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: Prefeitura/Divulgação

A operação “Conta Zerada”, do Ministério Público, foi realizada na manhã de terça-feira (21) e contou com 44 policiais, entre civis e militares, além da colaboração do IGP (Instituto Geral de Perícias).

Ao todo, foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e oito de busca e apreensão em Major Vieira e Canoinhas. Além disso, um dos investigados acabou preso em flagrante por posse ilegal de arma. De acordo com o portal JMais, os detidos são a contadora da prefeitura e o marido dela.

A operação investiga a suspeita de diversos crimes, como associação criminosa, peculato e lavagem de dinheiro na cidade, envolvendo a contadora da prefeitura.

Durante a operação, foram bloqueados valores que estavam em contas correntes dos investigados e apreendidos veículos, armas de fogo, joias e dinheiro em espécie. Também foi decreta a indisponibilidade de imóveis.

Segundo o MP, todos os bens poderão ser usados para o ressarcimento dos desvios e pagamento de multas. A denúncia contra os investigados deve ser apresentada nos próximos dias pela 3ª Promotoria de Justiça de Canoinhas.

As informações relacionadas aos desvios de valores e de patrimônio incompatível com a renda chegaram ao MP por meio do prefeito de Major Vieira e dos secretários, que desconfiaram dos investigados por estarem fazendo pagamentos para pessoas que não eram fornecedores do município, muitos dos quais parentes da contadora.

Até o momento, estima-se que mais de R$ 200 mil já foram desviados. Porém, os valores podem ser ainda maiores e os investigados já respondem a outra ação penal, em que são acusados de desviar mais de R$ 583 mil por meio de depósitos em suas próprias contas.