0:00
0:00

Pronto Atendimento é debatido em sessão da Câmara de Taió

Participe de nossa COMUNIDADE NO WHATSAPP e receba as principais notícias na palma da sua mão.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatApp.

O Pronto Atendimento do Hospital e Maternidade Dona Lisette foi o tema debatido na sessão da Câmara de Vereadores de Taió, realizada nesta terça-feira (29). O consultor do Administrativo do Vidas Assistência à Saúde, Richard Choseki foi quem representou o hospital em tribuna.

Na primeira parte ele apresentou um resumo dos atendimentos realizados neste ano, com dados atualizados até o mês de outubro. Foram 1.025 internações, 307 partos, 688 cirurgias, 5.277 consultas ambulatoriais, 7.486 exames de raio-x, 2.344 ultrassonografias e 7.737 exames laboratoriais. O Pronto Atendimento realizou no mesmo período 20.153 atendimentos. “São números que acho importante trazer, porque como a demanda maior é o Pronto Socorro, parece que o Hospital Dona Lisette é só o Pronto Socorro e vai bem além disso”, declarou Choseki.

O vereador Eder Ceola, autor do requerimento que convidou representantes do hospital para usar a tribuna, destacou que houve muito avanço, mas o problema de fato está no Pronto Atendimento. “A gente sabe da evolução, das mudanças no hospital, todo o trabalho magnífico automaticamente para no Pronto Socorro, a reclamação vira ali no Pronto Socorro, que é o canal de salvar a vida deixa a desejar porque o médico não transfere para Rio do Sul, não faz o eletro que precisa fazer”, pontuou Ceola.

O consultor reconheceu que o setor é de fato o mais sensível, principalmente devido a demanda maior. “O pronto socorro é sempre onde a gente tem mais problema por conta do volume que é muito grande. Nós temos problemas para trazer médicos não somente pelo salário, mas por conta de parte tecnologia para diagnóstico, que é o que estamos resolvendo”, afirmou.

O vereador Ricardo Oenning (Kakai) perguntou sobre a média salarial paga aos médicos no plantão, Choseki afirmou que os valores pagos em Taió estão dentro da média de mercado. “Nós participamos do planejamento estratégico de 10 hospitais, o médico de pronto atendimento ganha o mesmo em Abelardo Luz, Timbó, Taió, Navegantes, São João Batista, Massaranduba, em todos esses lugares o valor da hora plantão é o mesmo. Nós temos um ponto fora da curva na região que é o Hospital Regional que paga acima da média”, comparou o consultor.

 

Ampliação e tomógrafo

O hospital passará por obras de ampliação que vão alterar portas e sala de emergência. Um tomógrafo de 32 canais e 64 cortes por minutos, doado ao Hospital será utilizado e a previsão é de que esteja em funcionamento no início do ano que vem. “Queremos até o final do primeiro trimestre de 2023 estar com o tomógrafo instalado e em funcionamento”, estimou Choseki.

O hospital possui projeto aprovado de ampliação que vai permitir 77 leitos, centro de diagnóstico de imagem e UTI.

 

Por: Albanir Buzzi Junior – Assessor de Imprensa

///////////////////////////////////////// banner aqui /////////////////////////////////////

Deixe um comentário

 

Sugestão de Pauta