0:00
0:00
domingo, 25 de setembro de 2022

Funcionárias de creche de Rio do Sul, onde bebê sofreu queimaduras de 2º grau em SC respondem a processo administrativo

Participe do nosso grupo e receba as principais notícias na palma da sua mão.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatApp.

Uma professora e uma monitora de uma escola municipal de Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, são investigadas em um processo administrativo. A sindicância da prefeitura apura se houve erro, negligência ou culpabilidade no caso do bebê de 1 ano que sofreu queimaduras de segundo grau em junho.

O menino, na época com 1 ano e 3 meses, teve as lesões na escola em 10 de junho. Os pais do bebê fizeram a denúncia à Polícia Civil seis dias depois, segundo o delegado Luis Ricardo Erckman.

A criança foi transferida para o Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis. A prefeitura e o delegado não souberam informar, nesta quarta-feira (7), se o bebê teve alta.

Processo administrativo

 

A prefeitura informou que o processo administrativo contra a professora e a monitora foi aberto há duas semanas, resultado de uma sindicância inicial que apurou as queimaduras no menino.

O município disse que, com a abertura do processo administrativo, a próxima fase é de levantamento de informações, depoimento e ouvir a defesa das funcionárias. A conclusão pode levar até 90 dias.

Caso o resultado seja que elas cometeram alguma falha na hora em que o bebê sofreu a queimadura, o processo administrativo vai avaliar a penalidade para elas.

A prefeitura não esclareceu se a professora e a monitora seguem trabalhando na escola.

Inquérito policial

 

O delegado Erckman informou que o inquérito policial foi concluído há cerca de um mês.

Três funcionárias responsáveis pelas crianças na escola vão responder a um termo circunstanciado por lesão corporal culposa, quando não há intenção de machucar a vítima. O inquérito foi encaminhado ao fórum.

“Não foi concluído acerca da autoria, pois eram três funcionárias responsáveis pelas crianças. Eventual responsabilidade criminal ficará a cargo do MP [Ministério Público de Santa Catarina], que individualizará as condutas para denunciar ou não”, explicou o delegado.

Fonte: G1/SC

Deixe um comentário

 

Sugestão de Pauta