Geral

SC emite nota de alerta sobre variante delta; veja lista de recomendações com medidas contra Covid

Por  | 

A Superintendência de Vigilância em Saúde de Santa Catarina emitiu uma nota com recomendações diante de casos da variante delta no estado. No documento, publicado na sexta-feira (13), o órgão solicita aos municípios que reforcem a fiscalização e intensifiquem medidas de prevenção. Foram detectados 36 casos da variante em 20 cidades, segundo o órgão.

Entre outras medidas, o texto afirma que há possibilidade de que a mutação do coronavírus provoque quadros mais graves da doença. Com isso, há risco de “possível aumento exponencial de casos” em todas as faixas etárias.

“Embora não se tenham evidências de que a variante Delta tenha algum tipo de predileção por faixas etárias específicas, o fato dela ser uma variante altamente transmissível pode gerar um aumento de infecções, acometendo todas as faixas etárias”, informa o texto no documento.

Veja as recomendações abaixo:

Vigilância genômica

Recomenda-se a coleta de material para realização de RT-qPCR no Lacen, para posterior sequenciamento, para os casos que se enquadrem nas seguintes situações:

  • Casos suspeitos de reinfecção;
  • Casos graves ou óbitos em pacientes sem comorbidades;
  • Óbitos em gestantes;
  • Casos graves e óbitos de indivíduos com o esquema vacinal completo;
  • Casos e contatos que viajaram para locais com circulação de nova variante;
  • Amostragem de casos relacionados a surtos;
  • Medidas a serem adotadas pela Vigilância Sanitária e Epidemiológica;
  • Reforçar a fiscalização para efetivo cumprimento das normas sanitárias vigentes e evitar possíveis aglomerações;
  • Reforçar as medidas de prevenção e de proteção para população em geral, como uso de máscaras, distanciamento físico e uso de soluções antissépticas (água e sabão, álcool gel) para lavagem de mãos;
  • Intensificar as medidas de prevenção e de proteção para a comunidade escolar, mantendo o uso de máscaras individuais, distanciamento físico e uso de soluções antissépticas (água e sabão, álcool gel) para lavagem de mãos, bem como buscar o afastamento de qualquer indivíduo sintomático;
  • Reforçar as ações de vigilância quanto ao monitoramento e rastreamento dos contatos, a fim de interromper as cadeias de transmissão;
  • Intensificar cuidados em populações mais vulneráveis, como as residentes em instituições de longa permanência (ILPI);
  • Notificar e investigar oportunamente os casos e surtos de COVID-19, bem como reforçar ações de vigilância quanto ao rastreamento e monitoramento de contatos, bem como isolamento de sintomáticos visando interromper e reduzir a transmissão;
  • Realizar comunicação efetiva com a população, garantindo o entendimento do risco e das medidas de prevenção.

Medidas a serem adotadas pelos serviços de saúde

  • Preparar a rede de assistência para um possível aumento exponencial de casos de Covid-19 com a introdução e dominância da linhagem Delta em território catarinense, com a manutenção de leitos clínicos e de terapia intensiva com suporte;
  • Monitorar os estoques de medicamentos e insumos utilizados em unidades de terapia intensiva, além de oxigênio;
  • Garantir os processos de manutenção preventiva e corretiva de equipamentos, bem como manter capacidade de gestão de resíduos;
  • Garantir a disponibilidade de Equipamentos de Proteção Individual para os profissionais de saúde;
  • Reforçar as medidas de controle para surtos de Covid-19 em ambiente hospitalar (importância da vacinação completa dos profissionais);
  • Atualizar o plano de contingência para o enfrentamento da pandemia com enfoque às medidas preventivas não farmacológicas, tais como o uso correto de EPIs, higiene de mãos com uso de soluções antissépticas (água e sabão, álcool gel) e o distanciamento físico;
  • Garantir que as equipes de saúde estejam capacitadas para o enfrentamento da pandemia, bem como na prevenção e controle de infecções;
  • Atualizar os documentos sobre as medidas de precaução e isolamento (de pacientes, de acompanhantes e dos profissionais de saúde) e do Plano de Controle de Infecção (PCI);
  • Afastar o profissional de saúde sintomático, no contexto da Covid-19;
  • Realizar a testagem para SARS-CoV-2 de profissionais, pacientes e/ou acompanhantes que apresentarem sintomas respiratórios, independente do esquema vacinal.

 

 

 

 

G1/SC