Trânsito

Mais quatro radares entram em operação na BR 470

Por  | 

Mais quatro radares instalados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT), começarão a operar nesta terça-feira (29) no Alto Vale. Três equipamentos estão em Rio do Sul e um em Pouso Redondo. Um outro também começa a funcionar em Ascurra, no Médio Vale. A previsão é de que outros aparelhos entrem em operação nas próximas semanas.
O superintentendente do Dnit na região, Christiano Zulianello, revela que o cronograma previa ainda que nesta terça-feira mais dois radares em Trombudo Central também fossem ligados, mas houve um erro nas placas de sinalização e isso não será possível. “Eles só vão entrar em operação para corrigirmos a velocidade que foi feita errada. Era para ser 50 e estão com placas de 40. Por enquanto a lombada física lá permanece e assim que os radares começarem a operar definitivamente vamos retirar”, esclarece.
Ele comenta ainda que por enquanto não há um prazo final que que todos os equipamentos estejam funcionando, mas isso deve acontecer já nos próximos dias. “Vamos conversar com a empresa quais serão os próximos que eles vão conseguir instalar e aferir para poder liberar, mas ao longo das próximas semanas vamos liberar os demais. Acho que um dos últimos a entrar em operação será o da curva da Garapeira em Ibirama que vão fazer a instalação nesta semana ainda”, completa.

Seis entraram em operação em agosto

O primeiro lote a entrar em operação no dia 31 de agosto foi de dois controladores eletrônicos de velocidade (sem display) em Pouso Redondo e Curitibanos, e redutores eletrônicos de velocidade (com display) em Rio do Sul, Lontras e Ibirama e Ascurra.
Para evitar confusão entre os motoristas, o órgão revela ainda que os equipamentos que não entrarão em funcionamento neste momento estão cobertos com plásticos pretos. “O usuário vai passar pelo equipamento e se ele estiver com o saco plástico saberá que não está funcionando. Fica bem claro e não gera nenhum tipo de confusão”, disse Christiano.

 

 

 

Reportagem: Helena Marquardt/Diário do Alto Vale